- Tumblr Desativado. -



Pensei em voltar ao tumblr. Pensei em reconstruir o meu lugar. Pensei em escrever para pessoas que pudessem compreender os paradoxos humanos. Pensei em sentir. Pensei que pudesse aqui voltar a sentir. Pensei que fosse como antes. Não é. Não será. Assim como minha infância, assim como o vento ou como a água que cai em tarde chuvosa, o amor e a sinceridade do tumblr se foi. Desapareceu. Deu lugar a mentes vazias, corpos controláveis, fracos seres forjados no desejo egoísta humano. É o fim. O fim. Lembro-me de quanto comecei a ser invadido pelas emoções. Lembro de quanto escrevi sobre as emoções. Lembro quando abdiquei da frieza. Eu senti. Eu sinto. Eu chorei. Eu choro. Tomado fui então pelos sentimentos, transtornado pelo que o amor despertava em mim, sem saída, sem limites, sem segredos. Escrevi. A única liberdade, a única paz, as únicas que compreenderam a solidão desse inabitável corpo: Palavras. Palavras de ódio proclamadas aos ventos. Palavras de amor ditas em segredo. Palavras indecifráveis escritas. Palavras esquecidas. Onde estão os amantes? Onde estão os apaixonados? Onde estão os filhos das estrelas? Onde? Onde? Onde? Respondo. Tristemente falo. Penso. Sinto. Eles se foram. Eles morreram. Eles se deixaram corromper pelos que criticaram. Eles se tornarão meros mortais, meros fantoches das alienadas mentes. Estão aqui. Estão testemunhado todas as atrocidades. Estão aos poucos abdicando da sua paz. Amem. Não, comprem. Vivam. Não, morram. Pensem. Não, sejam tragados pelo mal irremediável. Irremediável? Sim. Sejam. Sintam. Não, sejamos frios. Mentes alienadas, repito. Onde estão os amantes? Despeço-me então antes que ao fim chegue minha ilusão. Despeço-me então antes da colisão insensata do amor com o ódio, fujo antes que esqueça o que importa. Aviso. Aviso para que voltem. Aviso para que seus espíritos voltem a habitar o campo seco que se tornam os corpos. Aviso. Sintam. Voltem a ser humanos. Deixem de ser meros humanos. Sejam eternos apaixonados.